13 dezembro 2008

Personalidades Rio-Grandenses - Cel. Juan Ganzo Fernandez

Recebi esta tarde da senhora Kátia Madruga Aurélio de Porto Alegre, estas cópias de jornais gaúchos que tratam da personalidade de meu bisavô. Estas cópias fazem parte de um conjunto de documentos que me enviou anteriormente, e que tratam do proceso que originou a homenagem a Juan Ganzo Fernandez, dando origem a Avenida Ganzo em Porto Alegre.
Kátia, muito obrigado por seu interesse e ajuda.


Juan Ganzo Fernandez, durante sua longa e ativa vida, dedicou-se com singular constância aos serviços de energia e comunicações, os quais, constituiram a grande paixão de sua existência.
Seu extraordinário espírito de iniciativa, que iria acompanhá-lo até a data de sua morte muito cedo se manifestou, pois já aos dezessete anos instalava para-raios nas fazendas do Uruguai e, ainda com essa idade, inaugura, na cidade uruguaia de San José, o seu primeiro centro telefônico. A seguir, estabelece novas centrais em Canelones, Florida, Santa Lucia, Melo e Serro Largo, ligando-os a Montevidéu. Em 1891 contraiu núpcias com D. Clorinda Garicochea de Herrera.
Em 1892 inaugurou a luz elétrica em San José, fato este que representou um grande marco de progresso na vida daquela cidade. Em 1900, cruza a fronteira a pedido do Dr. Carlos Barbosa Gonçalves e estabelece linhas t6elefônicas em Jaguarão, criando comunicação internacional com a cidade de Artigas, em 1901, funda em Bagé a Companhia Telefônica Bagéense, estendendo suas linhas até a cidade uruguaia de Melo e ao município de Don Pedrito.
Por ocasião da revolução que se deflagrou no Uruguai em 1904, ocupou o posto de Coronel e nesse ano vende suas centrais telefônicas para financiar seu partido na revolução.
A seguir, passa seus serviços às cidades de Rio Grande, Pelotas, Santa Cruz, Cruz Alta e muitas outras cidades do Estado. Importante melhoramento introduz nas comunicações entre Pelotas e Rio Grande, ligando-as por seis linhas diretas, uma vez que há vinte e seis anos a União Telefônica o fazia com apenas uma linha. Em princípio de 1908, fundou em Porto Alegre a Companhia Rio Grandense e em 1909 instala nesta cidade os primeiros serviços telefônicos com o tipo Bateria Central, dotando a cidade de ótima rêde de cabos aéreos e subterrâneos, a última palavra, para a época, na técnica de telefonia, pelo que ficou sendo Porto Alegre a quinta cidade do mundo e a primeira da América do Sul a dispor de semelhantes serviços.
Em 1912, após haver a Companhia Telefônica Rio Grandense adquirido a Companhia União Telefônica de Pelotas, é inaugurada a primeira linha de Longa Distância a explorar também os serviços telegráficos.
Em 1922 um fato memorável foi assinalado na vida da Companhia: inaugurou-se a Central Automática de Porto Alegre, tornando-se esta cidade a primeira do Brasil e a terceira da América do Sul a ter telefones automáticos.
Em 1925 dota a cidade de Rio Grande dos mesmos serviços e torna-se esta a segunda cidade do Brasil e a quarta da América do Sul a possuir mencionados serviços.
Entre os anos de 1912 a 1918, dedicou-se o Cel. Ganzo a um empreendimento de natureza diferente e que iria ter grande repercussão na vida de Porto Alegre daquela época _ tratou-se do Jardim Zoológico Vila Diamela, localizado em uma ampla propriedade, tão estranha ao seu trabalho habitual no setor das comunicações, entregou-se o Cel. Ganzo com o entusiasmo e o otimismo que sempre caracterizaram suas iniciativas e procurou dotar Porto Alegre de um centro de diversões que saudosa e viva lembrança deixou nos corações dos pôrto-alegrenses daquela segunda década de 1900. Hoje, no local do antigo Jardim Zoológico, cuja área foi loteada, está situado o magnífico e belo bairro residêncial Parque Ganzo.
Em 1927, após transacionar com a Intenational Telephone & Telegraph de New York, a maioria das ações da Companhia Telefônica Rio Grandense, obteve a concessão para explorar os serviços telefônicos no estado de Santa Catarina e funda a Companhia Telefônica Catarinense.
Mas não apenas aos serviços telefônicos dedicou-se o Cel. Ganzo, também os serviços de energia atrairam seu interesse e possuiu no Rio Grande do Sul as Usinas de Cachoeira do Sul, Caxias, Livramento e Bagé, havendo sido o fundador da Companhia de Usinas Elétricas Rio Grandense.
Seu espírito ativo e empreendedor levou-o também a participar de outras iniciativas e foi um dos fundadores da Refinaria Ypiranga de Rio Grandense.
Foi à testa da Companhia Telefônica catarinense, o último de seus empreendimentos, que a morte veio a encontrá-lo no dia 2 de abril de 1957 e até esse dia sua capacidade de iniciativa e trabalho não sofreram diminuição alguma. Faleceu súbita porém tranquilamente, e sua dinâmica existência extinguiu-se em apenas uma hora, sendo a morte tão benigna para ele, quanto bondoso para com seus semelhantes foi o Cel. Ganzo em sua vida.

Dante PIANTA
"Diário de Notícias" de 29/09/1961